10 propostas de Jane Nelsen para educar com firmeza e em positivo

Quer saber que propostas se escondem por trás da Disciplina Positiva? Quer conhecer uma forma de ensinar que sem castigo ou recompensa? Leia o artigo.

0 340

Este texto não teria sido possível sem a leitura de um manual que mudou por completo minha visão sobre como educar as crianças. Refiro-me ao manual Disciplina Positiva, de Jane Nelsen. No meu caso, estou usando esse livro para trabalhar na sala de aula com adolescentes e tem me trazido bons resultados.

Pois bem, entre os muitos conselhos que traz Jane Nelsen neste manual estão uma série de propostas que nos ensinam a diferenciar a educação tradicional punitiva da educação baseada na Disciplina Positiva. Uma Disciplina Postivia tem que ter um lema do qual gosto muito e que diz:

FIRM & KIND

Esse lema poderia ser traduzido como FIRME e AMÁVEL ou como firme e positivo. Daí que goste tanto dessa educação positiva, porque não renuncia à importância da autoridade e, sobretudo, trabalha desde a positividade e a empatia com o outro, aos mais jovens.

Aqui você tem 10 propostas de Jane Nelsen à respeito da Disicplina Positiva que eu transformei em meu decálogo pessoal.

10 propostas de Jane Nelsen para uma educação positiva

1. É uma educação não punitiva. Não se centra no castigo, mas sim na mudança de conduta a médio prazo.

2. Busca a proximidade e a confiança. Ao não se centrar no castigo, trabalha de maneira sistemática as emoções desde a empatia, preocupando-se mais pelo que passa à pessoa do que por seus atos.

3. Centra-se nas soluções. Talvez seja um dos aspectos que mais gosto desta disciplina, ou seja, a Disciplina Positiva não coloca seu foco na culpa, mas sim na busca de um “remédio” para determinada ação.

4. Ensina autocontrole. Dentro das competências emocionais, o autocontrole se transforma em um aspecto fundamental, sobretudo no que diz respeito à administrar a ira e ao estresse.

5. Trabalha desde a perspectiva de um conflito. Que significa isso? Muito fácil. A educação punitiva enfrenta o problema no mesmo momento em que o conflito se produz, em um momento em que, muitas vezes, estamos com raiva, tristes ou contrariados. Portanto, o que a Disciplina Positiva propõe é esfriar esse momento e trabalhá-lo quando tenha passado um tempo prudencial em que a perspectiva nos permita, muitas vezes, relativizar determinadas ações.

6. Centra-se no futuro. O grande problema da educação tradicional punitiva é que coloca seu foco no passado, ou seja, faz pagar pelo que foi feito. A Disciplina Positiva, por sua parte, coloca o foco no futuro, ou seja, se educa para conseguir resultados a médio prazo ou, o que é o mesmo, se aprende para um futuro.

7. Gera opções. A Disciplina Positiva capacita para escolher, ou seja, é capaz de gerar opções que a disciplina não permite pela rebeldia que provoca e porque seu objetivo é a submissão.

8. Aprende-se do fato. Enquanto que, na educação punitiva, se paga pelo fato, ou seja, se paga com um castigo, a Disciplina Positiva busca aprender desse fato  desde a reflexão, para que, uma vez trabalhado, entendido e assimilado, não haja necessidade de que volte a ocorrer.

9. Trabalha a autodisciplina. Um dos aspectos que se deve entender sobre a Disciplina Positiva é que se trata de uma educação não imediata. Que significa isso? Os resultados dessa forma de educar não são vistos no primeiro dia, mas a médio prazo. Por isso, no lugar de se centrar no controle próprio da educação punitiva, trabalha o autocontrole das emoções e dos atos que provocam essas emoções.

10. Faz sentir-se bem para fazer melhor as coisas. Esse último ponto é também um dos meus preferidos. Isso porque busca um enfoque radicalmente distinto da educação tradicional punitiva. Por que? Porque a educação punitiva se baseia na crença de que as crianças se comportarão melhor se se sentem pior. E não é assim. Do que se trata é de que as crianças consigam fazer as coisas melhor porque se sentem melhor.

Disciplina Positiva x disciplina punitiva. Conclusão

Em um artigo anterior abordei a Disciplina Positiva ou como educar desde a firmeza e não desde o castigo. Nele afirmava que

para fazer melhor não é necessário se sentir pior.

A educação, a educação de seus filhos, a educação dos meus alunos deve partir da firmeza sem renunciar à assertividade. E, para isso, o tempo, esse tempo que nos falta, deve se transformar não em um problema, mas sim em nosso melhor aliado. Dedicar tempo a nossos jovens, ocupar-nos deles e preocupar-nos por eles, buscar seu bem-estar é a que se propõe a Disciplina Positiva. Porque a educação é tempo, um tempo de qualidade que passamos com aquelas pessoas às quais pertence o futuro da nossa sociedade.

* Texto de Santiago Moll, professor. Publicado em @justificaturespuesta

Disciplina Positiva

Através da Disciplina Positiva aprendemos a centrar-nos em potenciar habilidades em nossos filhos para que possam ser capazes de solucionar problemas por eles mesmos. Também reconhecemos que castigos físicos e psicológicos não são recursos que favoreçam a criar crianças com autonomia, responsáveis e independentes. Saiba mais:

Inteligência Emocional

Na seção Inteligência Emocional aprendemos como ajudar nossos filhos a reconhecer e identificar as emoções corretamente. A partir do autocontrole emocional, a criança está preparada para vivenciar situações várias de uma maneira equilibrada. Descubra mais:

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.