15 erros frequentes na hora de aplicar Montessori em casa

0

Hoje está muito de moda aplicar o método Montessori em casa. São muitas as lojas de móveis infantis que produzem camas casinhas, armários ao nível da criança, e uma infinidade de objetos decorativos para deixar o quarto de nosso filho agradável e bonito.

No entanto, muitos se inspiram nas bonitas fotos de quartos montessorianos espalhados na internet, mas pouco leem sobre o método e seus propósitos. Shikoba Kids Montessori y más é um grupo de Facebook, no qual pais e mães compartilham suas experiências na aplicação do método.

É a partir disso que se reuniu os 15 erros mais frequentes na hora de colocar em prática a pedagogia Montessori em casa com nossos filhos.

1. Amontoar muito material. É comum que nós pais vamos colocando um e outro material, não fazendo uma seleção de seu uso. Temos limitações de espaço, no entanto, acabamos deixando tudo junto e desorganizado. O material montessori precisa estar organizado, esteticamente agradável aos olhos, e separado por áreas.

2. Não saber apresentar os materiais adequadamente. Os materiais são muito importantes para o método. Mas, igualmente importante é o modo de apresentá-lo à criança adequadamente. Para aprender a fazê-lo podemos ver vários vídeos no YouTube sobre o material a apresentar e como fazê-lo para que seu uso seja efetivo.

3. Falta de base teórica sobre o método. A falta de base teórica faz com que, muitas vezes, não entendamos a importância de algumas pautas a seguir, ou que materiais usar em cada etapa.

4. A pressa. Queremos que nossos filhos desfrutem das vantagens do método e dos materiais sempre atrativos. No entanto, o mais importante é que sejam apresentados a seu devido tempo, respeitando seus períodos sensíveis.

5. As expectativas. Muitos de nós chegamos ao método pelos bonitos vídeos, onde vemos crianças se comportando de forma tranquila e autônoma. Então, começamos a trabalhar com nossos filhos e esperamos que sejam iguais desde um primeiro momento. A normalização das crianças requer tempo, paciência e capacidade de observação. É preciso seguir a fase da criança para oferecer-lhe os materiais e atividades mais adequados.

Se você não sabe, a normalização é o processo da criança de passar de um comportamento mais caótico e dependente, até o ordenado e independente, que se observa nas escolas.

6. Sentir-se decepcionado. Muita expectativa e o desejo de que nossos filhos obtenham o melhor do método o quanto antes, pode produzir em nós uma decepção. Por isso, muitos pais acabam por desistir do método.

7. Pensar que Montessori não serve para nossos filhos. Para pais que tem filhos muito agitados, podem pensar que eles não podem se concentrar. Acreditam, equivocadamente, que eles não tem capacidade de se concentrar para realizar tarefas como ler livros ou ver vídeos.

8. Querer ter tudo. Os quartos montessorianos são um encanto e os materiais muito atrativos. Uma vez que se começa a comprar um, é difícil parar. É impossível ter tudo. Não há espaço suficiente que dê conta, e nem orçamento para ter tudo o que gostaríamos. Uma opção são os materiais feitos em casa. O importante é captar a dificuldade do material e assim buscar um substituto que nos ajude.

9. Sentir-se mal por não poder ter tudo. Quando optamos pelo método, vemos tantos materiais legais e atrativos que queremos ter todos. Mas é impossível. Nem é são também ter tudo. O ideal é comprar o básico de cada área. E, lembre-se de que sempre pode fazer materiais caseiros.

10. Pensar que fomentar a autonomia significa que a criança consiga fazer tudo de primeira. Muitos pais tem a ilusão de que, aplicar o método montessori em casa, acreditam que nunca mais terá que fazer o básico. Ou seja, não mais vestir o filho, dar-lhe de comer, guardar brinquedos… O método consegue muito da autonomia, e muitas vezes assim será, no entanto não nos esqueçamos de que são apenas crianças. O mais importante é ensinar-lhe a autonomia moral, aprender a tomar suas próprias decisões.

11. Esquecer-nos de que somos o exemplo. Muitas vezes exigimos de nossos filhos coisas que nem mesmo nós somos capazes de fazer. Mentimos para eles, mas queremos que digam a verdade. Brigamos com nosso parceiro diante deles, e queremos que nunca brigue com o amiguinho. É preciso que sejamos conscientes de nossa conduta para que sejamos coerentes com nossas exigências.

12. Não observar suficientemente a criança. Custa-nos aprender a parar e a observar melhor nossos filhos e entender suas necessidades reais. Isso nos faz antecipar etapas que gostaríamos em que estivesse e não o período sensível que realmente está.

13. Pensar que a casa é uma escola. O lar é um refúgio do mundo, da pressa e dos horários estressantes. Está feito para que a criança possa desfrutar da companhia dos pais. Ainda que haja um milhão de brincadeiras e atividades para crianças legais, não significa que tenhamos que fazer todas e todos os dias. O que precisam as crianças é do jogo livre, usando exclusivamente sua imaginação e criatividade.

14. Esquecer que a criança não pode ser autônomo enquanto tem outras necessidades emocionais. É muito bom ver como as crianças adquirem autonomia com o método montessori em casa, mas não podemos deixar de lado a sua educação emocional que nos corresponde como pais. Nunca podemos nos esquecer: somos seus primeiros guias, mas seus únicos pais.

15. Acreditar que montessori tem que ser tudo ou nada. Cada criança e sua família são um mundo. Assim, devem adaptar-se a suas circunstâncias. Nenhum método ou pedagogia devem se transformar em religião dentro de casa. Algumas coisas podem funcionar bem e outras não. A partir da observação cada qual deve adotar aquilo que considere oportuno.

Visto em Shikoba Kids

você pode gostar também

Comentários

Loading...