Disciplina PositivaSER PAIS

Meu filho mente. E agora?

meu filho mente. e agora

Apesar do valor atribuído à honestidade, as pesquisas são claras. Na verdade, as estratégias clássicas para estimular a sinceridade apenas levam a criança a mentir melhor.

Enquanto achamos que a honestidade é virtude primordial da criança, na verdade, sua habilidade mais evoluída é a mentira. A criança que se prepara para mentir, deve reconhecer a verdade, conceber logicamente uma realidade alternativa e estar apta a convencer a outra pessoa sobre a nova realidade. Logo, a mentira requer um desenvolvimento cognitivo e uma capacidade de socialização avançados que a honestidade dispensa.

Segundo pesquisas cientificas realizadas por uma pesquisadora chamada “Victoria Talwar”, uma das maiores especialistas em comportamento mentiroso nas crianças, concluiu: a habilidade de mentir é relativa a um marco do desenvolvimento importantíssimo.

Em seus estudo garantiu: há relação da mentira com a inteligência. As crianças que começaram a mentir por volta de 2/3 anos de idade, ou as que conseguem conter os vazamentos verbais aos 4/5 anos de idade, apresentaram melhor desempenho em outros testes de aptidão acadêmica.
Isso não quer dizer que tenhamos que estimular a mentira em nossos filhos. Porém, entender o desenvolvimento e comportamento do seu filho é primordial e tende a coibir práticas abusivas de castigo e excesso de ênfase em determinados assuntos.

Um dos principais fatores observados nas pesquisas que resultam mentiras está relacionado com o objetivo principal de “evitar serem penalizadas”. Aumento de mentiras ou excesso podem indicar que a criança está perturbada com algo e precisa de ajuda, por exemplo. Nesse caso, a mentira pode estar te sinalizando oportunidade de ajudar seu filho.

Após 6 anos o comportamento relacionado à mentira, no contexto de habilidade comportamental, deve diminuir. Uma dica importante é observar como está seu relacionamento com seu filho. Como está o relacionamento dele na escola. Um dos fatores responsáveis em fazer com que tal comportamento seja continuo é a conclusão da criança de que tal comportamento funcione como estratégia para enfrentar o convívio social.

* Texto: Julieta Franco (@recriar_julieta )

Fonte: Estudos Científicos.

Disciplina Positiva

Através da Disciplina Positiva aprendemos a centrar-nos em potenciar habilidades em nossos filhos para que possam ser capazes de solucionar problemas por eles mesmos. Também reconhecemos que castigos físicos e psicológicos não são recursos que favoreçam a criar crianças com autonomia, responsáveis e independentes. Saiba mais:

Posts relacionados

Limites segundo a Disciplina Positiva

Quando uma criança não pode se acalmar precisa de conexão

Sou uma mãe que NÃO GRITA. Como consigo?

Roda de opções para o controle da raiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *