Você no supermercado fazendo a compra e seu filho começa a pedir para comprar um brinquedo. Você diz que não. Ele insiste. Você repete que não. Ele começa a choramingar. Você sente que esse capricho se tornou pra ele a coisa mais importante do mundo. Então já sabe o que vem por diante: um dilúvio. Pode ser que você já se visualize naquele cenário: criança berrando, esperneando, jogada no chão, e todo um público olhando. E você ali nervosa, já se chateando, querendo que acabe logo, que aquele menino se levante. O mais fácil em situações assim é cair na tentação de evitar uma “birra” e ceder a um capricho da criança, dando-lhe logo o que quer.

No entanto, há várias razões pelas quais não devemos ceder à carinha de “por favor” de nossos filhos, mantendo-nos firmes. Álvaro Bilbao, neuropsicóligo e autor do livro “O cérebro da criança explicado aos pais”, explica que, na maioria das vezes, cumprem-se 5 motivos para não ceder a um capricho da criança. Para ele, é importante ser firmes para ajudar nossos filhos a serem felizes no futuro. Eles devem entender que nem tudo será fácil de conseguir. Logo, desde pequenos podemos educa-los com amabilidade para compreender que nem tudo que querem está ao alcance.

Razões para não ceder a um capricho de seu filho

Esses são os motivos convincentes elencados por Álvaro Bilbao:

  1. Não precisa o que quer para ser feliz. É apenas um capricho. Não é porque viu na prateleira que tem que levar.
  2. Porque já tem coisas parecidas e não lhe acrescentará nada de novo.
  3. Seguro que há uma data em que seja mais oportuno presentear: Natal, aniversário…
  4. Não há um motivo real para comprar o que quer no momento (mostrar carinha de bom não conta).
  5. Porque saber esperar e controlar a frustração são habilidades fundamentais para conseguir seus objetivos.

Para mim, como mãe, o mais importante é aprender a controlar a frustração e o saber esperar. Muitas vezes, tendemos a ser imediatistas, facilitando que a criança tenha tudo o que quer. Desculpamo-nos na nossa própria infância (eu sempre quis ter e nunca tive de pequena, agora que tenho dinheiro dou a meu filho) ou no valor do produto (compro porque é baratinho).

Na realidade, essas desculpas que criamos apenas favorece a educação de crianças que serão adultos super consumistas, incapazes de selecionar o que, de fato, é importante para atender suas necessidades.

Disciplina Positiva

Através da Disciplina Positiva aprendemos a centrar-nos em potenciar habilidades em nossos filhos para que possam ser capazes de solucionar problemas por eles mesmos. Também reconhecemos que castigos físicos e psicológicos não são recursos que favoreçam a criar crianças com autonomia, responsáveis e independentes. Saiba mais:

Author

Deixe Uma Resposta