Vejo mães preocupadas o tempo todo em criarem os filhos com apego por que muitas pessoas dizem que esse é principal problema da geração de crianças inseguras e desobedientes.

Sabe o que acho disso?

A resposta vem em um outro contraponto muito mais importante que qualquer pesquisa científica. Um dado que facilmente pode ser observado.

A geração das crianças inseguras e desobedientes é, coincidentemente, a geração de pais e mães que crescem cada vez mais em horas trabalhadas fora de casa.

Seria contraditório falar que crianças inseguras e desobedientes se originam de lares que criam com apego, se, esses pais fazem parte de uma geração que nunca passou tanto tempo fora de casa.

Sabe por que? Por que criar com apego está relacionado diretamente com DISPONIBILIDADE DE TEMPO.

Dentro de 24 horas de um dia completo, 16 horas fazem parte de horas “úteis”. Na maior parte dos empregos, 8 são para o trabalho, cerca de 2 horas mais são para locomoção e preparação para chegarem ao trabalho.

Sobram 6 horas.

Provável que 3 delas são gastas nas refeições, onde uma delas geralmente deve ser no local do trabalho.

Sobram 3 horas.

3 horas para os filhos ou você ainda precisa chegar em casa e organizar as atividades domésticas e tudo que envolve o nosso cotidiano?

Sim. Eu sei. Você vai chorar e gritar daí: Eu não tenho escolha. Preciso trabalhar para sustentar meu filho.

E eu direi: ok. Faça o que tem que ser feito, mas não coloque a culpa nas crianças por serem inseguras e desobedientes. Não coloque a culpa na criação com apego seguro.

Admita: somos de uma geração que da muito pouco para nossos filhos.
Pelo menos em relação ao que verdadeiramente importa: você!

Obs.: para cada criança insegura e desobediente, pergunte para os pais: Quantas horas por dia você passa com seu filho?

* Texto: Julieta Franco (@recriar_julieta )

Disciplina Positiva

Através da Disciplina Positiva aprendemos a centrar-nos em potenciar habilidades em nossos filhos para que possam ser capazes de solucionar problemas por eles mesmos. Também reconhecemos que castigos físicos e psicológicos não são recursos que favoreçam a criar crianças com autonomia, responsáveis e independentes. Saiba mais:

Author

3 Comments

  1. sou professora de educação infantil e é exatamente isso!!!!!
    Só como se criou um sistema que funciona assim e que tudo gira em torno do dinheiro as pessoas não querem falar sobre isso e nao sao estimuladas a isso tbm.

  2. Sou mãe hoje de 3 jovens adultos, não fui lá das melhores. Hoje sou baba prefiro ser chamada de acompanhante infantil. O meu olhar é diferente do olhar de mãe que não quer passar vergonha. Logo vejo que o meu mini patrão passa com essa dificuldade de lidar com a emoção mesmo com toda atenção da familia( pai mãe , avos e tia) canso de ver que ele é impedido de chora, de falar que não gosta, que não quer.
    Como baba me ponho no meu lugar e fico queta . como futura psigologa vejo algo alem da dificuldade de expressa suas verdadeiras emoções e sentimento .

    • Karina Reply

      OLá, entendo sua dificuldade. Realmente, você se encontra em uma situação complicada, já que você sente o impulso de ajudar a criança, complementando sua educação desde o respeito, mas, ao mesmo tempo, atada ao tema do trabalho. Bom, acredito que, neste caso, o melhor é você ser você mesma. Pode ajudar muito a criança a compreender o que lhe passa conversando com ela. Tenha um olhar de empatia para com esses pais. Como você mesmo colocou, com seus filhos você também tomou decisões que hoje teriam sido outras. Eu também como mãe sei que estou tomando decisões que, no futuro, verei que deveria ter ido por outro caminho. É normal. Buscamos o melhor para nossos filhos. Entendo que possa doer em você a forma como os pais educam a criança que você acompanha. Mas, você pode ter um papel importante, ajudando-o a compreender o que sente. Transforme-se na figura de seu anjo da guarda, acolha seus sentimentos com amabilidade, atenda suas necessidades com carinho e atenção, converse e escute-o. Os frutos serão colhidos no futuro.

Deixe Uma Resposta