O lixo pode se tornar luxo. Quanto escutamos esta frase e como nos parece tão insólita. Seguimos produzindo montanhas de lixo, poluindo nossas ruas, sem nem sequer olhar para o luxo que pode existir ali. Maravilhamo-nos, contudo, quando uma criança é capaz de fazer do ordinário extraordinário com a arte de reciclar. 

Já contei a vocês como estamos contentes com a nossa iniciativa de criar uma caixa de invenções para Laura. Dar o material adequado e deixa-lo sempre à disposição é a maneira ideal de brindar à criança uma oportunidade única de trabalhar sua capacidade de criar e recriar o mundo à sua volta.

Fazer do ordinário extraordinário

É incrível ver como as mãozinhas trabalham encaixando peças que possam dar forma ao que está pensando. Na caixa de invenções havia uma peça branca. Nela, Laura enxergou uma cara. Bom, também nós vemos claramente. Daí surgiu um menino feliz segurando seus balões.

Dessa forma é como o ordinário se transforma em algo extraordinário. A arte de reciclar é justamente isto: ressignificar os objetos a serviço da criatividade.

ordinario extraordinario

Com um rolo de papel higiênico a criança é feliz?

Sim. É assim mesmo! Mas recomendo não ficar nas atividades manuais com tubos papel higiênico ou caixa de papelão. Muitas das coisas que vão para o lixo poderiam ser verdadeiros luxos nas mãos das crianças. Apenas precisamos saber como ofertar e, em que momento. Dar-se conta de quando nossos meninos e meninas estão preparados para estabelecer as conexões necessárias que lhes permitam ressignificar os objetos.

Infelizmente, a reciclagem na educação infantil ainda está muito atrelada a realização dos trabalhos manuais. Por exemplo, transformar um rolo de papel em animais, em pincéis, em personagens. Tudo isso é válido.

Ainda mais impactante é quando esse tubo está entre tantos outros objetos recicláveis e, de repente, a criança decide que deva ser um túnel ou uma parte de um corpo, um telescópio ou um taco para empurrar a bola… Quando isso acontece, damo-nos conta de que dela surgiu a necessidade de fazer do ordinário extraordinário. E é justamente aqui quando a criatividade aflora e se desenvolve.

E, quando isso acontece, permitimos à criança vivenciar um brincar eco sustentável. Quando usamos o rolo de papel como pincel, a criança ve como, no final da atividade, aquele rolo vai para o lixo, sem qualquer processo seletivo que separe o papel do plástico, por exemplo. Quando o mesmo rolo de papel higiênico se repete na brincadeira em distintos momentos e dias, ela percebe que entende o valor daquele objeto e cuida para que não seja mais um lixo a poluir as nossas ruas. É assim como contribuímos para criar seres humanos capazes de mudar o mundo.

Author

Deixe Uma Resposta