Criação com ApegoDisciplina PositivaEducação Emocional

Os castigos não funcionam realmente. O que fazer então?

castigos nao funcionam

Cada vez mais lemos resultados de pesquisas realizadas por grandes centros que apontam que os castigos não funcionam realmente. As consequências são muitas. Dentre elas, causa prejuízo na relação entre pais e filhos, tal como a perda de confiança. Nossa geração de pai foi educada por nossos pais na base do castigo e da palmada.

Se o castigo traz consequências negativas para o desenvolvimento emocional de nossos filhos, como podemos atuar em situações limites? O que melhor funciona?

A organização governamental Chile Cresce Contigo- Proteção Integral à Infância divulgou o vídeo “Os castigos não funcionam”, no qual crianças respondem o que sentem ao serem castigadas por seus pais.

Por que castigam você?

Ao serem perguntados por que são castigados, as crianças explicam os comportamentos equivocados que pudessem justificar a atitude de seus pais. Para elas, explicam os castigos recebidos:

  • Às vezes se comportam mal ou não obedecem
  • Os irmãos mentem e, quando o fazem, a mãe acredita neles.
  • Porque tiram más notas na escola.
  • Porque querem uma coisa e os pais querem outra.
  • Quando não comem tudo durante o almoço ou a janta.

De fato, os castigos podem funcionar a curto prazo para deter algumas condutas da criança. No entanto, se baseiam no medo e na ameaça. Uma das consequências mais graves é a falta de confiança da criança em relação a seus pais. Aprendem a mentir-lhes para evitar os castigos. Uma questão de sobrevivência mesmo.

O que sentem quando são castigados?

Muitas vezes, os pais tendem a usar o castigo como um método de educação. Como dito, a curto prazo, pode ter seu efeito. Sob o medo e a ameaça, calamos os sentimentos das crianças. Será que alguma vez, após o tempo do castigo, nos colocamos ao nível de nossos filhos e lhes perguntamos o que sentia quando atuou mal, o que lhe passava para tirar uma nota baixa, por que não tem fome naquele momento?

Mais fácil parece dar o castigo, esperando que a situação não se repita. Engano dos que assim acreditam. Para os que foram criados à base de castigos e palmadas, basta recordar que repetiram uma e outra vez o mau comportamento. E foram castigados uma e outra vez.

As mesmas crianças responderam à pergunta: o que sentem quando são castigados?

  • Pena
  • Raiva
  • Chateado
  • Pensam que são um fracassam
  • Tristeza

Tenhamos em conta, os castigos não servem para ensinar os comportamentos que queremos fomentar. Apenas param, temporalmente, as condutas por temor a um novo castigo. E, claro, como a criança não aprende e tende a repetir o mau comportamento, o que ocorre é um contínuo de castigos cada vez mais severos.

O que funciona no lugar do castigo?

Algumas atitudes nossas, como pais, podem ser usadas no lugar do castigo, a fim de fomentar a melhoria do comportamento de nossos filhos.

  • Buscar tempo para nos conectarmos com as crianças com calma.
  • Tentar compreender as razões de sua conduta.
  • Explicar por que necessitamos que mudem.
  • Encontrar juntos uma solução para o problema.

O que deveriam fazer os pais no lugar de castigar você?

Claro está que as crianças não são bobas. São capazes de entender o que queremos dizer-lhes, se falamos desde a calma e o respeito. Talvez sejamos nós a subestimar sua capacidade e acreditar que a imposição e o autoritarismo sejam a única alternativa para conseguir delas o que queremos.

Ainda, sobre o vídeo, as crianças responderão à pergunta: O que deveriam fazer os pais no lugar de castigar você?

  • Conversando.
  • Deveriam acalmar-se porque as crianças ficam muito tristes quando são castigados.
  • Não gritar.
  • Buscar entendê-los melhor.
  • Abraçá-los.

Educando com respeito e calma

Educar desde o respeito e a paciência é uma forma efetiva de compreender melhor nossas crianças.

Posts relacionados

10 perguntas para saber como foi seu filho na escola

Método Inuit para não gritar com os filhos

Sono seguro é sono perto dos pais

Conto Waldorf: O Homenzinho do Outono

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *