A maternidade real não é tão romântica como muita gente possa pensar. Vendo contas de Instagram, tudo parece muito perfeito. Fotos de casas perfeitas com tudo arrumado mesmo a família tendo uma, duas ou três crianças. O quarto sempre arrumado, cada brinquedo em seu lugar. Fique tranquil@. Nem tudo é o que aparenta. Todos os pais se descabelam com as brigas entre irmãos, com o filho que deixa tudo jogado pela casa, com a criança que não quer tomar o banho ou quando grita e faz “birra”. Então, manter a calma em momentos de tensão não é tarefa fácil. No entanto, é algo possível. Viver em um lar sem gritos nem castigos é algo possível sempre e quando os adultos sejam capazes de trabalhar para manter a calma mesmo quando a raiva parece dominar o seu ser.

Como manter a calma em momentos de tensão?

Sempre que estamos tranquilos, conseguimos administrar melhor tudo o que ocorre a nosso redor. É certo que as crianças fazem coisas que podem nos tirar do sério. Um simples demorar a colocar a blusa na hora de sair, quando você está com pressa, pode desencadear uma briga que acaba em choro e gritos. Quando nos vemos acurralados, em um momento de tensão, tente manter a calma. Como?

Trabalhe o seu eu interior. Em toda e qualquer situação, coloque em prática alguns exercícios que ajudam muito.

– Respire. Fundamental. A maioria de nós não sabe respirar. Estamos no automático. Respirar significa ser conscientes de como as emoções atuam em nosso organismo. Se somos capazes de inspirar e expirar com calma, nos relaxamos, baixamos a tensão e podemos atuar com trnquilidade.

– Recite um mantra: A minha calma é a calma da criança. Se estamos nervosos, nossos filhos também se sentirão alterados com facilidade. Para conseguir nos conectarmos com ela, o melhor é estar serenos, colocar-nos a seu nível para compreender o que passa.

– Autocuidado. Buscar espaço e tempo para fazer coisas que você goste e lhe façam bem. Ter esse momento para si ajudar e muito a cuidar bem do outro, simplesmente, porque você está bem consigo mesm@.

– Relativize. Será que o que está acontecendo é algo tão importante que mereça uma bronca tão grande? Realmente, o fato de a criança ter deixado o brinquedo jogado pela sala deve ocasionar gritos e castigos? Você é consciente de que pode trabalhar com ela o cuidado com o brinquedo e a importância de recolher tudo antes mesmo de brigar? Pense nisso.

– Seja o exemplo. É fácil castigar seu filho por gritar com você. Mas, você já parou para contar a quantidade de vezes que você grita com seu filho? O grito que ele da é apenas o reflexo do que vê e vivencia em casa ou em seus ambientes sociais.

Tenha em conta buscar outras soluções que respeitem a criança como um sujeito capaz de expressar suas emoções e suas necessidades. A criança está esperneando porque quer um pirulito e não é o momento. Antes de tentar se impor no grito para que deixe de chorar, acolha-a com amabilidade: “Filho, sei que quer muito um pirulito. Podemos comprar para depois da janta.” Reconheça a raiva da criança, permita-lhe sentir e expressa-la. Dê-lhe tempo e, depois, atue dialogando e explicando o porquê de não ter concedido o que desejava. Quando os dois estão em calma, a conexão se estabelece e flui.

Disciplina Positiva

Através da Disciplina Positiva aprendemos a centrar-nos em potenciar habilidades em nossos filhos para que possam ser capazes de solucionar problemas por eles mesmos. Também reconhecemos que castigos físicos e psicológicos não são recursos que favoreçam a criar crianças com autonomia, responsáveis e independentes. Saiba mais:

Author

Deixe Uma Resposta