Educação Emocional

Aprenda como respeitar a privacidade de seu filho?

respeito-a-privacidade-das-criancas

Você respeita a privacidade de seu filho? A maioria diria que sim. Mas, pode ser que você, sem se dar conta, expõe demais a vida de seu filho. Realmente, quando temos um filho, queremos contar ao mundo nossas vivências. Há mães e pais cujo monotema passa a ser a criação: meu filho comeu isso ou aquilo, falou a primeira palavra, aprendeu a andar… São capazes de estar horas falando apenas dos progressos de seus filhos.

Os pais, geralmente, sentem-se orgulhosos de sua cria e querem mostrar a todos o quanto os querem. E nada melhor que fazê-los em imagens, não é?! No entanto, aqui podemos abrir uma discussão interessante sobre a forma como expomos nossos filhos nas redes sociais, por exemplo.

Se você considera que respeita a privacidade de seu filho, deveria ser frequente em sua vida a maioria destas ações:

– Não fale de seus problemas com outras pessoas

É comum vermos pais compartilharem suas experiências com seus filhos. Na maioria das vezes, ao exporem uma dificuldade na sua criação, o que buscam são conselhos e sugestões para poder solucionar um problema. E não há nenhum mal nisso. Compartilhar vivências é um caminho idôneo para encontrar ajuda necessária para solucionar problemas com nossos filhos.

Mas lembre-se de que a vida de seu filho não é um livro aberto. Coloque-se em seu lugar. Provavelmente ele não gostaria que você contasse todos os seus problemas às pessoas, como se se tratasse de uma criança rebelde ou impossível. Em lugar de contar os problemas aos demais, busque olhar nos olhos de seu filho e escutá-lo. Detrás de seus gestos sempre encontrará uma razão.

– Não o ridicularize diante dos demais por seus erros

Errar é humano, não é mesmo? Uma criança aprende de seus erros. É normal errar, e muito, na infância. Também o é na fase adulta Lembremos que um bebê nasce sem conhecimento das coisas deste mundo. Cada experiência será vivida através da exploração. Para que acerte precisará errar.

É comum ‘idolatrar’ o filho do vizinho: ‘Olha como ele se comporta!’, ‘Que criança mais educada!’. Mas quer saber de uma coisa: todos passam pelos mesmos problemas, porque faz parte da vida de qualquer bebê.

– Não comparar seu comportamento com o do outro

Cada bebê é único. Nenhum é igual ao outro, embora possam experimentar vivências similares nas distintas etapas de seu crescimento. Cada bebê é um mundo. Ao comparar, você acaba expondo seu filho, etiquetando-o como se determinadas vivências próprias de sua etapa fossem marca de seu caráter. Por exemplo, se seu filho chora muito, não significa que seja manhoso ou chato. Simplesmente é um bebê que requer maior atenção. Tenha certeza de que não será um adulto chorão. E mais, se você o atende prontamente, satisfazendo suas necessidades, crescerá e será um adulto seguro.

– Não faça uso de insultos para se referir às suas capacidades

Todos os pais desejam que seus filhos sejam inteligentes. Aqueles que vivem o fracasso escolar são taxados de burros ou vagabundos. Se seu filho tem baixo rendimento na escola, evite o uso dessas palavras. A sua repetição o fará crer que de fato é incapaz de aprender, e mais fácil tirará a toalha.

– Corrija-o em privado

Se seu filho fez algo de errado, não faz mal. Chame-o num cantinho, coloque-se a seu nível, olhe em seus olhos e explique que não teve o comportamento adequado. Diga-lhe as consequências que isso trouxe. Evite repreende-lo em público. De fato, isso não ajuda a criança a resolver seus problemas, ao contrário, traz para ele mais problemas.

– Não exponha fotos de seu filho nas redes sociais

Esse é um tema controverso e pode gerar um debate infinito. Fato é que considero inadequada a exposição de crianças nas redes sociais. É perfeitamente intendível que os pais tem orgulho de suas crias, querem contar ao mundo a enorme felicidade de viver esse momento e consideram que a melhor forma é publicando a fotinha do bebê. Mas já parou para pensar se seu filho realmente teria interesse em ver sua vida e seu dia a dia expostos nas redes sociais desde o seu nascimento?

Portanto, papais, fiquem atentos! A vida de seu filho é dele e a ele pertence. Podemos evitar tanta exposição da privacidade dele!

Posts relacionados

Cartões de três partes sobre emoções e sentimentos

Jogo Monstro das Cores para brincar com as emoções

As coisas que eu amo...

Não é necessário acrescentar frustrações artificiais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *